Você está aqui: C# ::: Estruturas de Dados ::: Filas

Como criar uma fila em C# usando um vetor de ints - Estruturas de Dados em C#

Quantidade de visualizações: 1299 vezes
A Fila é uma estrutura de dados do tipo FIFO - First-In, First-Out (Primeiro a entrar, primeiro a sair). Neste tipo de estrutura, o primeiro elemento a ser inserido é o primeiro a ser removido. Funciona exatamente igual a fila de um banco, fila para comprar ingressos, fila para pagar no caixa da lanchonete, etc.

Veja a imagem a seguir:



Embora seja mais comum a criação de uma estrutura de dados do tipo Fila de forma dinâmica (usando ponteiros e referências), nesta dica eu mostrarei como podemos criá-la em C# usando um array, ou seja, um vetor. No exemplo eu usei inteiros, mas você pode modificar para o tipo de dados que você achar mais adequado.

Veja o código completo para uma classe Fila usando um vetor de ints. Veja que o tamanho do vetor é informado no construtor da classe. Note também a lógica empregada na construção dos métodos enfileirar(), desenfileirar() e imprimirFila():

Código para Fila.cs:

using System;

namespace Estudos {
  class Fila {
    private int[] elementos;
    private int inicio; // início da fila
    private int final; // fim da fila
    private int maximo; // quantidade máxima de elementos na fila

    // construtor da Fila que aceita o tamanho
    public Fila(int tamanho) {
      // constrói o vetor com o tamanho informado
      this.elementos = new int[tamanho];
      this.inicio = 0; // define o início como sendo o primeiro elemento
      this.final = -1; // fila vazia. Não tem final ainda
      this.maximo = tamanho; // ajusta a quantidade máxima de elementos
    }

    // método que permite enfileirar um novo elemento
    public void enfileirar(int item) {
      // a fila já está cheia
      if (this.final == (this.maximo - 1)) {
        Console.WriteLine("\nA fila está cheia.\n");
        return;
      }
      // ainda há espaço na fila
      else {
        this.elementos[++this.final] = item;
      }
    }
......


Veja agora o código para a classe principal, ou seja, a classe Principal usada para testar a funcionalidade da nossa fila:

Código para Principal.cs:

using System;

namespace Estudos {
  class Principal {
    static void Main(string[] args) {
      // Vamos criar uma nova fila com espaço para 5 elementos
      Fila fila = new Fila(5);

      // vamos inserir 3 elementos na fila
      fila.enfileirar(34);
      fila.enfileirar(27);
      fila.enfileirar(11);

      // vamos imprimir a fila
      Console.WriteLine("Os itens na fila são: ");
......


Ao executar este código C# nós teremos o seguinte resultado:

Os itens na fila são:
Item[1]: 34
Item[2]: 27
Item[3]: 11

Elemento desenfileirado: 34
Elemento desenfileirado: 27

Os itens na fila são:
Item[3]: 11

Link para compartilhar na Internet ou com seus amigos:

Firebird ::: Dicas & Truques ::: Tipos de Dados

Como usar os tipos CHAR e VARCHAR do Firebird

Quantidade de visualizações: 15761 vezes
O Firebird fornece dois tipos de dados básicos para armazenar informação em texto ou caracteres: CHAR e VARCHAR (O tipo BLOB também permite armazenar caracteres por meio de seu sub-tipo text).

CHAR e VARCHAR são tipos de dados que podem armazenar quaisquer informações do tipo texto. Números que não serão envolvidos em cálculos, tais como CEPs, números de ruas, etc, são geralmente armazenados em campos do tipo CHAR ou VARCHAR. O comprimento de um campo do tipo CHAR ou VARCHAR é informado entre parênteses, e pode ser um valor inteiro que vai de 1 até 32.767. Esta largura de caracteres é extremamente útil quando precisamos armazenar dados de tamanho fixo ou pré-definido, tais como códigos de CEPs para um determinado país.

Comparado com a maioria dos outros bancos de dados, o Firebird armazena somente as informações significantes. Se um campo é definido como CHAR(100), mas contém apenas 10 caracteres, os bytes definidos adicionalmente não são usados. Isso acontece porque o Firebird armazena os tipos CHAR e VARCHAR de forma igual, e não preenche o espaço não usado com caracteres vazios. Tanto CHAR quanto VARCHAR são guardados na memória em sua forma declarada, mas, o registro é comprimido antes da armazenagem.

Além disso, tenha em mente que os campos do tipo VARCHAR exigem mais espaço de armazenamento que os campos do tipo CHAR. Isso ocorre porque, ao armazenar um VARCHAR, o Firebird adiciona dois bytes que serão usados para guardar o real tamanho do campo (o tamanho declarado).

Desta forma, um CHAR ocupará menos espaço de armazenamento. Contudo, quando fazemos um SELECT envolvendo campos do tipo VARCHAR, o Firebird removerá os dois bytes adicionados anteriomente e retornará o valor armazenado. Quando um SELECT é efetuado com campos do tipo CHAR, o Firebird retorna o valor e os espaços em branco.

Em termos práticos podemos considerar esta regra: somente use CHAR se você for armazenar strings com poucos caracteres. A exceção a esta regra acontece quando estamos trabalhando com tabelas intermediárias exigidas para a exportação de dados para arquivos de tamanhos fixos. Neste caso os campos CHAR de tamanho fixo trarão uma enorme vantagem.

Esta forma eficiente de armazenamento do Firebird pode trazer algumas confusão, principalmente quando estamos importando dados, uma vez que bases de dados Paradox e dBase guardam também os espaços em branco. Assim, depois de importar um arquivo dBase de 10Mb para o Firebird, o resultado será algo em torno de 3-6Mb, ainda que todos os dados tenham sido importados corretamente.

Observe também que campos CHAR indexados não devem ter mais que 80 caracteres de comprimento (Firebird 2.5).

Quando estamos criando campos do tipo CHAR, este tipo de dados pode ser definido como CHAR ou CHARACTER. Já o tipo VARCHAR pode ser definido como VARCHAR, CHARACTER VARYING ou CHAR VARYING.

Veja um comando DDL CREATE TABLE usado para criar uma tabela do Firebird contendo campos do tipo CHAR e VARCHAR:

CREATE TABLE PESSOAS(
  ID     INTEGER NOT NULL,
  NOME   VARCHAR(40) NOT NULL,
......


Aqui o campo ID é do tipo INTEGER, NOME é do tipo VARCHAR(40) e SEXO é do tipo CHAR(1). Veja agora um comando DML INSERT INTO que mostra como inserir um novo registro nesta tabela:

INSERT INTO PESSOAS VALUES(12, 'OSMAR J. SILVA', 'M');
......


É importante notar que, se um campo for do tipo CHAR(1) e, na query INSERT ou UPDATE nós fornecermos dois ou mais caracteres, o Firebird se recusará a gravar ou atualizar o registro, exibindo a seguinte mensagem de erro:

Arithmetic overflow or division by zero has occurred.
arithmetic exception, numeric overflow, or string truncation.
string right truncation.


JavaScript ::: Dicas & Truques ::: Set (Conjunto)

Como converter um Set em um Array JavaScript usando a função Array.from()

Quantidade de visualizações: 964 vezes
Em algumas situações nós gostaríamos de tratar um objeto Set da linguagem JavaScript como se ele fosse um Array, ou seja, um vetor (matriz de apenas uma linha e várias colunas). Para estes casos nós podemos usar o método Array.from(), adicionado à linguagem JavaScript na revisão ECMAScript 2015 (ES6 ou ECMAScript 6).

Este método recebe vários objetos, entre eles Map e Set, e retorna um array. Assim, veja um trecho de código no qual criamos um Set com três elementos, usamos o método Array.from() para obter um Array a partir dele e, em seguida, percorremos e exibimos os elementos do array.

Eis o código completo para o exemplo:

<!doctype html>
<html>
<head>
  <title>O objeto Set do JavaScript</title>
</head>
  
<body>

<script type="text/javascript">
  // vamos criar um novo conjunto contendo
  // 3 linguagens de programação
  var linguagens = new Set(["Java", "PHP", "Delphi"]);
......


Ao executar este código nós teremos o seguinte resultado:

Java
PHP
Delphi


VB.NET ::: Dicas & Truques ::: Strings e Caracteres

Como inverter uma string em VB.NET usando a função StrReverse()

Quantidade de visualizações: 10564 vezes
Em algumas situações nós precisamos inverter a ordem dos caracteres de uma palavra, frase ou texto em VB.NET. Para isso nós podemos usar a função StrReverse().

Veja um exemplo completo de seu uso:

Imports System

Module Program
  Sub Main(args As String())
    Dim frase As String = "Gosto de VB.NET"

    ' vamos mostrar a frase original
    Console.WriteLine("A frase original é: " & frase)

    ' vamos inverter a string
    frase = StrReverse(frase)
......


Ao executar este código VB.NET nós teremos o seguinte resultado:

A frase original é: Gosto de VB.NET
A frase invertida é: TEN.BV ed otsoG


JavaScript ::: Dicas & Truques ::: Mouse e Teclado

Como bloquear o botão direito do mouse em suas páginas HTML usando JavaScript

Quantidade de visualizações: 22866 vezes
Em algumas situações, principalmente games desenvolvidos em JavaScript ou HTML5, nós gostaríamos de evitar o botão direito do mouse, ou seja, o menu de contexto no corpo da página web.

Para isso só precisamos retornar false para o evento oncontextmenu. Veja como isso pode ser feito no trecho de código JavaScript abaixo:

<html>
<head>
  <title>Estudos JavaScript</title>
</head>
 
<body oncontextmenu="return false">
......


Uma boa idéia é avisar ao usuário (por meio de uma mensagem window.alert) que ele não pode usar o botão de contexto no documento HTML. Veja:

<html>
<head>
  <title>Estudos JavaScript</title>
</head>
 
<body oncontextmenu="return aviso()">

<script type="text/javascript">
......


Agora, ao clicarmos com o botão direito do mouse na página, uma mensagem window.alert será exibida com o seguinte texto:

Botão direito não permitido.


Java ::: Dicas & Truques ::: Internacionalização e Localização (Internationalization, i18n, Localization, l10n)

Como usar os construtores da classe Locale em seus programas Java

Quantidade de visualizações: 9457 vezes
A classe Locale, na versão 1.6 do Java, apresenta 3 construtores. Aprender a usá-los corretamente trará muito mais flexibilidade aos seus códigos.

Veja o primeiro construtor:

Locale(String language)


Este construtor requer como argumento um código de língua válido, ou seja, um dos códigos de duas letras minúsculas definidos pelo ISO-639. Assim, "pt" é para o português, "en" para o inglês, e assim por diante. Veja:

import java.util.*;
import java.text.*;

public class Estudos{ 
  public static void main(String args[]){ 
    // criamos um locale para o Brasil
    Locale localeBR = new Locale("pt");
    
    // vamos obter a data e hora atual
    Calendar agora = Calendar.getInstance();
......


Veja o segundo construtor:

Locale(String language, String country)


Este construtor requer a língua (language) e o país (country). O argumento country deve ser um código de país válido, ou seja, um dos códigos de duas letras maiúsculas definidos pelo ISO-3166. Assim, "BR" é para o Brasil, "PT" para Portugal, "US" para United States, e assim por diante. Este construtor que aceita o código da língua e o código do país é o mais frequentemente usado, uma vez que Brasil e Portugal possuem o mesmo código de língua, mas códigos de paises diferentes. Além disso, há países cujas regiões falam línguas diferentes, por exemplo, o Canadá. Veja um exemplo:

import java.util.*;
import java.text.*;

public class Estudos{ 
  public static void main(String args[]){ 
    // criamos um locale para o Brasil
    Locale localeBR = new Locale("pt", "BR");
    
    // vamos obter a data e hora atual
    Calendar agora = Calendar.getInstance();
......


Vejamos agora o terceiro construtor:

Locale(String language, String country, String variant)


Este construtor requer a língua, o país e a variante de localização. O argumento variante é um código específico relacionado ao fornecedor do sistema ou browser. Por exemplo: WIN para Windows, MAC para Macintosh, etc. Este último construtor não é usado comumente, razão pela qual o exemplo de seu uso fica pendente até a próxima revisão desta dica.


Desafios, Exercícios e Algoritmos Resolvidos de Java

Veja mais Dicas e truques de Java

Dicas e truques de outras linguagens

Códigos Fonte

Programa de Gestão Financeira Controle de Contas a Pagar e a Receber com Cadastro de Clientes e FornecedoresSoftware de Gestão Financeira com código fonte em PHP, MySQL, Bootstrap, jQuery - Inclui cadastro de clientes, fornecedores e ticket de atendimento
Diga adeus às planilhas do Excel e tenha 100% de controle sobre suas contas a pagar e a receber, gestão de receitas e despesas, cadastro de clientes e fornecedores com fotos e histórico de atendimentos. Código fonte completo e funcional, com instruções para instalação e configuração do banco de dados MySQL. Fácil de modificar e adicionar novas funcionalidades. Clique aqui e saiba mais
Controle de Estoque completo com código fonte em PHP, MySQL, Bootstrap, jQuery - 100% funcional e fácil de modificar e implementar novas funcionalidadesControle de Estoque completo com código fonte em PHP, MySQL, Bootstrap, jQuery - 100% funcional e fácil de modificar e implementar novas funcionalidades
Tenha o seu próprio sistema de controle de estoque web. com cadastro de produtos, categorias, fornecedores, entradas e saídas de produtos, com relatórios por data, margem de lucro e muito mais. Código simples e fácil de modificar. Acompanha instruções para instalação e criação do banco de dados MySQL. Clique aqui e saiba mais

Linguagens Mais Populares

1º lugar: Java
2º lugar: Python
3º lugar: C#
4º lugar: PHP
5º lugar: Delphi
6º lugar: C
7º lugar: JavaScript
8º lugar: C++
9º lugar: VB.NET
10º lugar: Ruby



© 2024 Arquivo de Códigos - Todos os direitos reservados
Neste momento há 18 usuários muito felizes estudando em nosso site.